terça-feira, 13 de julho de 2010

Pousada de Estói.

Belo dia de praia aqui em Santa Cruz, o de hoje e o de ontem também – sem vento frio do norte desagradavel. maré vazia a meio da manhã. Uma maravilha.
Pelos algarves devem estar as costumadas altas temperaturas. Tenho um amigo nas Açoteias que diz que o calor não se aguenta. E a reforçar isto a casa é muito quente e daí ele e a familia passarem pelas verdadeiras “passas do algarve”.

A respeito do blog, como lhe disse é um blog sem grandes objectivos a não ser o de reencontrar companheiros que connosco estiveram naquelas paragens. E temos tido alguns bons resultados, desde que o blog foi aberto de há dois anos para cá. Sabe que não é uma peça literária nem nada que se pareça, mas vamo-nos entendendo uns aos outros e temos visitas dos quatro cantos do mundo. É para nós de grande valor, embora a participação seja muito reduzida. Os textos não são escolhidos, cada um escreve como sabe e pode e quando quer.
Mas tem sido à custa do blog que temos reencontrado muitos dos “perdidos”.
Acerca do Pedro. Sabe que o Pedro é o chamado “básico” e na tropa o básico serve para pouco mais que limpar latrinas. No caso dele não sabe ler nem escrever, não sabe fazer a barba pois corta-se todo, não era capaz de tomar banho com eficiencia, embora já o consiga fazer há cerca de um ano.
E como era um desamparado alguém teve que tomar conta dele na Guiné e calhou-me a mim. Fiz o melhor que pude, acompanhei-o, comprava o que ele necessitava, preocupava-me com ele. E continuo embora o grande trabalho esteja a ser feito pelo Lar dos Montes Altos, que são para ele a sua grande familia. Tem salário minimo, paga a sua estadia no lar. Está muito bem.
Eu nasci e morava no Porto e quando viemos da Guiné levei-o com ele ao Porto e ele não mais esqueceu isso. Esteve lá uma semana comigo em casa dos meus pais e depois vim pô-lo ao Barreiro para ele seguir de comboio para a sua terra que é salvo erro S.Bartolomeu de Messines.
Quanto à capelinha era na verdade um refúgio para muitos de nós. Era uma construção simples, apenas um pequeno muro à volta e uma palhota por cima, tendo um pequeno altar ao fundo e uma imagem de Fátima. Tinhamos um capelão, pessoa que reencontramos também ao fim de algum tempo.
É engraçado que aqueles que frequentavam essa capelinha eram muito poucos e alguns, como é normal, manifestavam-se contra. Mas viemos agora a descobrir que os elementos da secção das transmissões, tinham uma imagem de Fátima, num pequeno nicho, junto à sua arrecadação. Ou seja, as pessoas não querem saber, mas sempre procuram alguma protecção pois pode dar jeito em momentos de aflição – e foram muitos.
Este capelão vai festejar os 50 anos de sacerdócio em 21 de Agosto, como está anunciado no blog, na região de Viana do Castelo e espero poder ir lá visitá-lo nesse dia, se a vida me permitir.

Sobre as pousadas, eu sou um adepto das pousadas, pois são hoteis pequenos, normalmente instalados em edificios com história, com charme, classificados muitos deles. E o ano passado estive em Sagres, mas procurei ir para Estói. Estava a ser acabada e não deu.
Vou seguir o seu conselho e assim ficará para uma próxima vez.

Sem comentários:

Enviar um comentário